Em busca de um novo mundo

      A arte de Beatriz de Carvalho  é um canal antecipador da vida e de realidades mais humanizadas. Seu imaginário  transcende as dimensões limitadas da realidade comum, como a grande obra Em Busca de Um Novo Mundo.  Uma  proposta voltada para a questão mais importante dos dias atuais que é a sustentabilidade, definida como a capacidade de o ser humano interagir com o mundo, preservando o meio ambiente para não comprometer os recursos naturais das gerações futuras.

Em Busca de Um Novo Mundo é uma obra  polifacética em suportes e meios, expressando-se através de  pinturas a batik, objetos feitos com materiais reciclados, edição de livros, músicas e teatro musical.  Uma grande obra que se sobrepõe aos critérios da crítica de arte e atinge um patamar humanista, cultural e  eco ambiental de sustentabilidade.  Em Busca de Um Novo Mundo pode ser considerada como um dos sinais do novo humanismo do segundo milênio,  por seu conteúdo poético e filosófico e ecológico.  Trata-se de uma história de um planetinha feliz onde seus habitantes Fifis (passarinhos), Totós (cachorrinhos) e Farfalinas (borboletas) vivem em harmonia e felicidade. Passam por desventuras,  as desarmonias eco ambientais que acabam por destruir o planetinha  e dispersar seus habitantes para outros lugares ou planetas.  Nesse processo, para que ingressem e desfrutem destes novos lugares, cada grupo deve passar por uma transformação interior, a fim de ficar em sintonia com o novo planeta que irão ocupar.

Se é inegável a relação com a obra, “O Pequeno Príncipe” que lera aos 14 anos,  por outro lado a obra de Beatriz de Carvalho é radicalmente diferente e muito mais abrangente, irmanando-se  com as preocupações prementes quanto a preservação da natureza no planeta. Quanto a isso a artista é pioneira,  construindo a história através de pinturas em batik sobre telas de seda pura. Participa com este conjunto de batiks,  Um Mundo Feliz de uma exposição coletiva de artistas brasileiros  que percorre varias cidades alemãs: Munich, Sttutgart, Dusseldorf e Frankfurt no começo dos  os anos 1970.

Após o intervalo de mais de 30 anos com a chegada do novo milênio, Beatriz de Carvalho retoma  o grande  tema de sua predileção  com intensa força criativa  e sensibilidade. Irradiando belezas inusitadas em articulações de formas, cores e material de grande potência ética e estética, como o mais recente que foi mostrada na exposição no MUBE em outubro de 2014.

Daisy Peccinini

Galeria “Em busca de um novo mundo”